VetTalks - NetVet entrevista Carmen Cocca

Médica veterinária com atuação em medicina integrativa fala sobre suas escolhas e os desafios que encontrou quando optou por quebrar alguns paradigmas

A NetVet abre um espaço novo, com um formato inovador, batizado de VetTalks, com o objetivo de compartilhar ideias e experiências entre profissionais e alunos de medicina veterinária. São entrevistas com veterinários de diferentes áreas, em um bate-papo descontraído, falando sobre experiências profissionais e temas de relevância para a Medicina Veterinária. Para abrir este caminho convidamos a Médica Veterinária Carmen Cocca, homeopata, adepta da Medicina Integrativa e idealizadora do site Bicho Integral.
.

NetVet - Você se formou na USP numa época em que a Medicina Alternativa era apenas um embrião na veterinária. O que te motivou a escolher este caminho da Medicina Integrativa?

Ao sair da faculdade eu era mais uma veterinária recém-formada, cheia de energia, inspirações, muita vontade de começar a trabalhar e colocar em prática tudo aquilo que tinha aprendido. Com o passar dos anos as coisas mudaram. Parecia que eu havia perdido o encanto. Aquele interesse pelo "novo" foi ficando de lado e quando me dei conta, estava praticando uma medicina que não me trazia satisfação. Era a medicina dos "anti" - antibiótico, anti-inflamatório, antipirético, anti-isso, anti-aquilo.

O divisor de águas foi um evento pessoal. Um trauma me forçou a procurar ajuda profissional e encontrei o Reiki. Foi o ponto de partida que me despertou para esse olhar de integrar bem-estar animal, saúde física e mental. Foi então que reencontrei um novo sentido na minha profissão. Movida por desafios, fui me interessando cada vez mais por temas considerados alternativos, como Florais de Bach, Homeopatia, Medicina Vibracional, entre outros.

NetVet -  Qual foi seu maior desafio depois que decidiu aplicar a medicina integrativa na sua rotina?
O maior desafio foi justamente a mudança. Percebi que não seria muito fácil lidar com os antigos clientes pois estavam acostumados com aquela medicina tradicional que eu usava antes. Muitos dos meus clientes não aceitaram a mudança e decidiram procurar outro veterinário. O número de clientes caiu, e meu faturamento também diminuiu. Foi um momento difícil.

NetVet - E o qual foi a saída? O que você fez para enfrentar este desafio?
Mantive uma posição firme e passei a valorizar mais as informações. O acolhimento ao cliente se tornou um grande diferencial. Além das explicações e conversas durante o atendimento, comecei a apresentar um vasto material de leitura. Apliquei uma abordagem clínica diferente, diminuindo o uso de vacinas, antibióticos, anti-inflamatórios e corticoides. Os resultados corroboravam meus argumentos. Novos clientes, crentes nesse novo olhar foram chegando. Novos laços foram criados com os tutores. Aos poucos percebi que uma corrente entre estes clientes estava se formando. Colegas de profissão também participaram desta corrente. Foi um verdadeiro "trabalho de formiguinha". 

NetVet - Que impacto você espera causar em seus clientes e que mudanças na sua vida você atribui a esta escolha?
Espero que esse novo olhar, novo cuidar e novo pensar possam ajudar as pessoas a lidar melhor com a doença e ao mesmo tempo com a saúde também. Eu vejo esta mudanças nas pessoas e no relacionamento delas com seus pets. Recuperei a motivação e a energia de atuar como clínica ao me apropriar de um novo olhar sobre o cuidar e poder empoderar tutores desse cuidar natural e científico ao mesmo tempo.

Para saber mais....



Compartilhe este post

Posts relacionados

Lei Arouca completa 10 anos

Lei Arouca completa 10 anos

Especialistas estão preocupados com as mudanças propostas na lei que regulamenta o uso de animais nas atividades de ensino e pesquisa.