Resistência antimicrobiana

Ações de prevenção e controle garantem a eficácia dos antibióticos

Precauções quanto ao uso de antibióticos ajudam na prevenção da resistência antimicrobiana assegurando saúde e bem estar animal, refletindo possíveis impactos aos seres humanos.

Desde 1998, o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) restringiu a autorização de diversos antimicrobianos com finalidade de aditivo melhorador de desempenho, proibindo no Brasil as classes e/ou substâncias antimicrobianas avoparcina, anfenicóis, tetraciclinas, penicilinas, cefalosporinas, quinolonas, sulfonamidas, eritromicina, espiramicina e, mais recentemente, a colistina. A proibição vem de encontro às recomendações dos organismos internacionais de referência para ao uso racional de antimicrobianos em animais.

O Médico Veterinário tem papel importante na escolha do fármaco para o tratamento da doença bacteriana quanto à dose, via de administração, duração do tratamento e período de carência após o término em animais de produção, seguindo recomendações da bula. Agindo com responsabilidade visando a saúde dos animais e seres humanos.

Em 2017, o MAPA criou o Programa Nacional de Prevenção e Controle de Resistência a Antimicrobianos na Agropecuária (Agro-Previne) visando fortalecer ações para prevenir e controlar a resistência aos antimicrobianos na agropecuária.

No mês de maio deste ano foi criado o Plano de Ação Nacional para Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos - PAN-BR AGRO, o plano elaborado pelo MAPA atende as recomendações da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e da Organização Mundial de Saúde (OMS). A coordenadora Suzana Bresslau enfatiza: "Precisamos atuar agora, implementando as atividades do PAN-BR AGRO, para garantir a eficácia dos antimicrobianos, preservando, assim, a saúde dos humanos e dos animais." O PAN-BR AGRO é o desdobramento do Programa Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos na Agropecuária (AgroPrevine). Reafirmando valores relativos à segurança alimentar produzindo alimentos inócuos e sustentáveis.

Ações no campo da pesquisa estão sendo desenvolvidas buscando alternativas para o uso de antimicrobianos. A dissertação de mestrado de autoria da Médica Veterinária Rafaela Altarugio  recebeu o prêmio de Melhor Pôster no Prêmio de Pesquisa Avícola "Professor José Maria Lamas da Silva", promovido pela Fundação Apinco de Ciência e Tecnologia Avícolas (FACTA). Rafaela ressalta: "A utilização de substitutos, como os probióticos, na inibição de microorganismos, como a Salmonella sp, é uma das maiores preocupações em nosso painel de produção. Devido a sua importância, esse tema se tornou uma das minhas preferências na pesquisa."

Doenças podem ser evitadas, detectadas, controladas e até mesmo combatidas quando integramos a Medicina Veterinária à Medicina Humana. Partindo do princípio da "saúde única", onde saúde animal, humana e meio ambiente andam juntos. 

Veja mais:......

Uso responsável e prudente de antimicrobianos

AgroPrevine

PAN - BR AGRO

Seleção e caracterização probiótica in vitro de Lactobacillus spp. com potencial de inibição de Salmonella Heidelberg

Compartilhe este post