Ortopedia

Entendendo melhor o joelho do cão

Fatores de risco em cães que sofreram ruptura do ligamento cruzado cranial atendidos no Hovet Universidade Anhembi-Morumbi


O objetivo do presente trabalho foi identificar fatores considerados de risco, como raça, idade, sexo, peso corporal e castração em cães que sofreram ruptura do ligamento cruzado cranial (RLCCr), atendidos no Hovet Universidade Anhembi Morumbi. Foram pesquisadas as fichas dos cães com RLCCr atendidos no período de 2009 a 2015. Neste período foram atendidos 382 animais com RLCCr, dos quais 189 fêmeas e 193 machos.

Não houve diferença estatisticamente significativa entre machos e fêmeas com RLCCr, entre idade da ruptura, entre os sexos e entre intervalo da castração e RLCCr, mas houve diferença estatisticamente significativa na idade à ruptura dos animais com peso acima de 20 kg em relação aos demais.

Publicidade

VetGo - Sistema de Gestão de clínica Veterinária. Desenvolvido por veterinário com formação em TI. Completo e fácil de usar. Planos a partir de R$ 69/mês. Teste grátis por 15 dias!

Concluiu-se que há influência do peso do animal na ocorrência da RLCCr, pois animais com mais de 20 kg apresentaram a RLCCr com uma idade inferior à dos animais de porte menor. As raças mais acometidas pela RLCCr foram Pitbull, Poodle, Fila Brasileiro, Yorkshire, Rotweiler, Labrador e Lhasa Apso. Como neste estudo não houve atendimento de animais castrados antes da puberdade que apresentaram RLCCr, faz-se necessária a pesquisa da influência da castração em animais pré-púberes na ocorrência de RLCCr.

Veja mais:

Ruptura do ligamento cruzado cranial de cães atendidos no Hovet da Universidade Anhembi Morumbi