O diabo-da-tasmânia pode ser salvo da extinção

Pequena proteína descoberta por brasileiro interfere no ciclo das células cancerosas


Desde 1996, o diabo-da-tasmânia (Sarcophilus harrisii), maior marsupial carnívoro do mundo  vem sendo dizimado por uma forma contagiosa de câncer conhecido como doença do tumor facial do diabo-da-tasmânia (TFDT), onde cerca de 80% dos animais foram mortos.

A doença tem evolução rápida , levando à morte por inanição visto que as lesões são na face impedindo os animais de comer.

Foi pesquisando o sistema imune de aracnídeos que o biólogo  brasileiro Pedro Ismael da Silva Junior, pesquisador do Laboratório Especial de Toxicologia Aplicada do Instituto Butantan encontrou na aranha caranguejeira Acanthoscurria gomesiana uma molécula com atividade antibiótica que ganhou o nome de gomesina. O estudo foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Pesquisadores australianos estão testando uma molécula sintética a partir da A. gomesiana e outro peptídeo semelhante encontrado em uma aranha da espécie Hadronyche infensa, encontrada no país.

Sabendo-se das diversas atividades da proteína contra bactérias, vírus e fungos, torna-se possível o desenvolvimento de novos fármacos antibióticos.

Veja mais...

BBC Brasil - Como uma molécula descoberta no Brasil pode salvar o diabo-da-tasmânia de extinção

Compartilhe este post